Notícias

Termografia: a detecção do infravermelho do corpo humano para o auxílio da medicina

Data da Palestra: 18/11/2014
Palestrante: Dr. Antonio Carlos de Camargo Andrade Filho
Instituição: Coordenador da Rede Lucy Montoro - Unidade Jahú
Palestra nr: 94
Para baixar essa palestra CLIQUE AQUI Download da palestra

Sabemos que todos os corpos animados e inanimados emitem, ou absorvem radiação infravermelha e esta é oriunda de movimentos rotacionais moleculares.

Como o corpo humano é composto de células vivas, e dependendo do tecido, órgão, ou localização que ocupam emite mais, ou menos radiação eletromagnética.

Essa radiação, portanto pode ser medida com muita precisão e daí podemos aferir e conferir desvios da normalidade do corpo humano para o auxílio do médico.

Essas mensurações das radiações infravermelhas servirão para pesquisas médicas, testes de novas drogas, prevenções de doenças, epidemia s e controle evolutivo de tratamento com frequência, uma vez que é um exame destituído que qualquer risco para paciente.

Download da apresentação


Resenha

Dr. Antonio Car los de Camargo Andrade Filho

O Programa Ciência às 19 horas des pediu-se do ano 2014 com a realização da palestra intitulada Termografia: a detecção do infravermelho no corpo humano para auxílio na medicina, um tema que foi abordado no dia 18 de novembro pelo Dr. Antonio Carlos de Camargo Andrade Filho, Coordenador da Rede Lucy Montoro ? Unidade de Jahú.

Nesta palestra, Andrade Filho salien tou o fato dos corpos animados e inanimados poderem emitir, ou absorver radiação infravermelha, sendo esta oriunda de movimentos rota cionais moleculares. Como o corpo humano é composto por células vivas e dependendo do tecido, órgão, ou localização que ocupam, ele e mite mais, ou menos radiação eletromagnética. Essa radiação pode, portanto, ser medida com muita precisão e daí poder-se aferir e con ferir desvios da normalidade do corpo humano como um auxílio para a área médica. Essas mensurações das radiações infravermelhas servem para pesquisas médicas, testes de novas drogas, prevenção de doenças ou epidemias, além de poderem controlar a evolução de tratament os com bastante frequência, uma vez que esse tipo de exame é destituído de qualquer risco para o paciente.

Contudo, é interessante conhecer a história ? embora resumida ? de como apareceu essa técnica, que rem onta ao período do declínio da II Guerra Mundial, quando os aliados buscavam um método que pudesse detectar movimentos suspeitos das forças do Eixo – navios, aviões e comboios de veículos -, principalmente em locais com pouca visibilidade ou mesmo em períodos noturn os, o que de fato conseguiram fazer. Contudo, segundo Andrade Filho, o domínio da tecnologia, naquela época, era bastante primitivo, o que postergou o desenvolvimento dessa técnica em cerca de vinte anos, com o advento da guerra fria e com o aparecimento dos mísseis intercontinentais. Rússia, EUA, Suécia, Japão, além de países mais próximos da então União Soviética, temiam o aparecimento súbito de mísseis que não pudessem ser abatidos, devido às suas velocidades, e foi a partir daí que a detecção precoce desses mísseis, no momento do seu lançamento, passou a ser possível com a tecnologia que se desenvolveu nessa époc a, que, entretanto, cresceu e evoluiu muito. Simultaneamente, a classe médica que trabalhava ao serviço das forças armadas na Europa ocidental e oriental, junto com seus colegas asiáticos e americanos, começou a pensar no uso civil e pacífico dessa técnica no campo da medicina, principalmente voltada para a detecção precoce de doenças, ou no auxílio de diagnósticos clínicos. Embora a intenção foss e altruísta e importante, o certo é que essa tecnologia, por ser extremamente sensível para fins militares, ficou bloqueada para ser desenvolvida na área da medicina, daí o fato da classe médica ter avançado muito pouco na utilização da detecção do infravermelho do c orpo humano para fins de diagnóstico. Só com a queda do Muro de Berlim e com a pulverização da ex-URSS, essa tecnologia passou a ser m ais divulgada no meio civil, tendo começado, então, a existir um interesse crescente no uso da detecção das anomalias do infravermelh o do corpo humano, uma tecnologia que é considerada muito sensível, só que de baixa especificidade.

O Dr. Andrade Filho explicou o significado do termo baixa sensibilidade: Por exemplo, uma ressonância magnética tem uma especificidade maior na área anatômica e morfológica, mas baixa esp ecificidade na área metabólica: por outro lado, a termografia tem uma alta sensibilidade para detectar qualquer anomalia de emissão d o infravermelho do corpo humano. Qualquer doença, por menor acometimento que possa causar, já dá uma anomalia na emissão do infraverme lho – para mais ou para menos – e isso a ressonância magnética, a tomografia, a cintilografia, bem como outros exames subsidiários mé dicos, não têm essa sensibilidade, mas têm especificidades maiores em cada área, de tal maneira que a termografia médica situa-se com o um exame de triagem, mostrando se o paciente tem alguma anomalia, ou não. Contudo, segundo nosso entrevistado, outra importância desse exame é na prevenção de epidemias. Por exemplo, ao nível de aeroportos, portos, estações ferroviárias e estações rodoviárias, uma câmera termográfica colocada nos locais de embarque e desembarque pode detectar, com muita sensibilidade, alguém que esteja inici ando um quadro infeccioso – por exemplo, pelos vírus ebola, gripe aviária, gripe suína, etc. A o nível de centro cirúrgico, a termografia também se mostra quase que imprescindível nos dias de hoje: Essa tecnologia pode auxiliar um cirurgião cardíaco que, por exemplo, esteja fechando uma artéria coronária de um paciente e queira saber se essa artéria vai funci onar ? ou não – após a sua religação. Antigamente, só se sabia esse resultado depois que o cirurgião fechava o peito do paciente, sem se poder antever ou acompanhar em tempo real a eventual ocorrência de uma trombose. Se algo corresse mal, havia a necessidade de abri r o peito desse paciente novamente. Hoje não, explica Andrade Filho, que acrescenta: Hoje, um cirurgião, com uma câmera de termografia, conecta-se à artéria coronária, solta o fluxo sanguíneo e em tempo real vê se o músculo está recebendo toda a irrigação necessária ou se a artéria está profundindo normalmente, não tendo a necessidade de reabrir o pacient e novamente. Na Europa, Estados Unidos, Canadá e Japão, essa técnica já se encontra bastante difundida, ao contrário do que acont ece no Brasil, que só agora começa a ter uma expansão exponencial: Eu estudo isso há quase 2 9 anos e, no início, éramos apenas dois médicos que utilizavam isso no Brasil. Atualmente, o nosso país já conta com uma sociedade mé dica com titulação para isso, além de cursos específicos de formação para essa área, comenta Andrade Filho.

Sendo uma aliada da medicina, a termografia já está num curso de desdobramento e, n este momento, ela já participa nos chamados exames acoplados, como, por exemplo, a utilização do Raio-X acoplado à termografia, da ressonância magnética acoplada à termografia e, mais recentemente, o próprio software da ressonância magnética está conseguindo fazer, no mesmo momento, a termografia de todos os planos dos tecidos, de tal maneira que a Ressonância Magnética Termográfica torna-se um exame muito mais completo, mais específico e mais sensível: A termografia, desdobrando-se na sua utilização ao nível de pronto-socorro e de centro cirúrgico, pode salvar muitas vidas, principalmente pela sua facilidade de uso e de sua grande sensibilidade, conclui Andrade Filho.

Compartilhe!
Share On Facebook
Share On Twitter
Share On Google Plus
,
Fale conosco
Instituto de Física de São Carlos - IFSC Universidade de São Paulo - USP
Programa Ciência às 19 horas
Obrigado pela mensagem! Assim que possível entraremos em contato..